Foz do Iguaçu econômico

Delícia o rodízio de peixes no Restaurante Dourado.

Delícia o rodízio de peixes no Restaurante Dourado.

Rio Paraguai, ops, Paraná, visto da janela do Restaurante Dourado.

Rio Paraguai, ops, Paraná, visto da janela do Restaurante Dourado.

No capítulo, ops, post anterior contei que cancelei bilhetes aéreos em 2012. Resolvi aproveitar meu crédito na Gol com uma super promoção para um destino que queria há muito conhecer: Foz do Iguaçu. Tinha um problema:  precisava ir num feriado e não queria pagar pacote em hotel, pois esse é um dos primeiros “mandamentos” em minhas viagens.

Café, pãozinho e doces = delícia.

Café, pãozinho e doces = delícia.

Lancei mão do velho truque de ir (ou voltar) um dia antes/depois do feriado em si, o que deu muito certo para as passagens. Mas nenhum dos hotéis econômicos com boas avaliações no Tripadvisor estava abrindo mão do famigerado pacote. Procura daqui e dali, me deparo com o Best Western Tarobá Express, bem localizado, no centro, bem avaliado e com preço ótimo – reservei rapidinho, ainda que meio com a pulga atrás da orelha, já que outros hotéis de mesmo nível e na mesma região estavam todos trabalhando somente com pacote.

Acomodação casal standard do Best Western Tarobá Express

Não me arrependi; embora não seja uma maravilha (lógico, é um hotel econômico), é muito limpo, oferece um café da manhã muito bom e se o atendimento não prima pela gentileza, pelo menos é correto. Recomendo, muito bom custoxbenefício.

Logo após nos instalarmos, fomos fazer um reconhecimento do local, já que só tínhamos programado atividades para o dia seguinte. Encontramos uma padaria bem simpática quase ao lado do hotel, e uma churrascaria bem próximo. Adoro padarias, e essa, além dos cafés, capuccinos, doces e salgados caprichados, também serve refeições ligeiras. Estava bastante frio, e café com docinho naquela temperatura caiu muito bem…

O dono da padaria nos deu algumas informações muito boas. Não havíamos alugado carro, e estávamos em dúvida se o faríamos ou não. Mas ele nos esclareceu que o terminal de ônibus ficava a 5 minutos a pé do hotel, e o deslocamento para as principais atrações turísticas seria muito fácil e econômico. Outra boa dica foi sobre um rodízio de peixes/frutos do mar no Restaurante Dourado, onde, além da comida gostosa, ainda desfrutamos de uma bela vista do Rio Paraná.

Caso você  opte por  não  alugar carro, hospedando-se no centro, poderá chegar a várias atrações de ônibus, a partir do terminal rodoviário, com segurança. Parque das Aves e das Cataratas, Itaipu Binacional são exemplos, além do próprio aeroporto, caso esteja viajando apenas com mochila ou mala de bordo, como nós. Mas por favor, não vá ao Restaurante Dourado de ônibus, pois você andará muito e num lugar nada agradável. Para chegar a Puerto Iguazú, na Argentina, onde há bons restaurantes/hotéis, cassino e o Duty Free, a maior parte dos hotéis oferece transporte gratuito em micro-õnibus/van. No nosso hotel, as saídas eram diárias, por volta das 17 horas, sendo necessário apenas agendá-la com alguma antecedência, no próprio dia. Também é possível chegar às cataratas do lado argentino de ônibus, mas me deu preguiça só escutar a explicação no terminal, teriam que ser dois ônibus e teríamos que aguardar um tempinho razoável no lado argentino. Contratamos, no hotel mesmo, um táxi que, por R$ 70,00, levou-nos até o parque, aguardando várias horas até terminarmos nosso passeio e levar-nos de volta ao hotel – achei um preço ótimo!

Portanto, se você está pensando em ir a Foz mas acha caro fazer os passeios de táxi ou não tem paciência de dirigir nas férias, fique tranquilo: o transporte público na cidade é eficiente e seguro. Economizar sim, mas sem perder o prazer! (parodiando Che…)

A Próxima Viagem

Passeio de trem - Santo Antônio do Pinhal

Passeio de trem – Santo Antônio do Pinhal

Santos - SP

Reencontrando a Hermelinda, amiga de infância, em Santos!

Foz do Iguaçu

Foz do Iguaçu

Se fosse fazer uma novela com a minha vida (e olha que tem bastante material pra isso) esse seria um bom título.

A próxima viagem pode até demorar um pouquinho a acontecer, mas o período inter-viagens é cheio de sentimentos, atitudes, pesquisas, leituras, enfim, tudo aquilo que vai proporcionar maior sucesso no decorrer da viagem. E olhe que nem sempre são atitudes tomadas conscientemente visando à viagem – não, a verdade é que já está no sangue.

Pois é, 2012 foi um destes anos meio entre-safra, por diversos motivos. Saúde, estudo, compromissos atropelaram alguns planos. Foi o ano em que eu mais paguei multas a companhias aéreas  por cancelamento de bilhetes. Cancelei uma viagem a Buenos Aires, onde participaria da ConVnVenção do Viaje na Viagem e outra à Califórnia, em setembro.

Em 2012 tivemos os seguintes capítulos:

  • revi Campos do Jordão em companhia do marido e de amigas queridas.
  • finalmente conheci, em viagenzinha com o marido, Foz do Iguaçu, em esquema super econõmico, mas sem abrir mão de nenhum prazer.
  • viagem sentimental a Santos, minha terra natal do coração, com direito a reencontro com amiga de infância!

Nada mal para uma entre-safra…

Gramado em Janeiro – Diário de Viagem

Minha cunhada, a Cláudia , foi com marido e filhos adolescentes a Gramado, bem na época do Natal Luz. Olha só o que eles viram por lá…

A primeira noite já foi um espetáculo! … choveu bastante estava um friozinho gostoso. Os termômetros marcavam 14º … brruuuu  

Gramado, linda mesmo com chuva e neblina.

 

A avenida principal,  Borges de Medeiros, estava toda iluminada, enfeitada com árvores de natal. Quase não conseguimos ver o Palácio dos Festivais, a Igreja Matriz, Igreja de São Pedro, por causa da névoa baixa. Lindo!

Durante a chuva, no entanto, pudemos nos aquecer ouvindo o Coro do Instituto Adventista de Cruzeiro do Sul cantando músicas tradicionais e religiosas de Natal. Mas não era simplesmente um coral se apresentando, eles eram a “Árvore Cantante”!

Árvore Cantante!

Na manhã do dia seguinte… um lindo céu azul traz novas cores à avenida.

… e agora, sim, podemos ver com mais detalhe as árvores de natal que a enfeitam. Árvores de bolas e hortênsias, cartões e girassóis, ursinhos de pelúcia,

almofadinhas de pachtwork e até de Barbies!

Em frente à Igreja Matriz, na av. Borges de Medeiros, uma grande praça com um belo coreto e uma linda fonte. Cenário para muitas fotos.

Cláudia no coreto e Marcelo (meu sobrinho) com olhar "maroto"

 

O “Palácio dos Festivais”! – o do Festival de Cinema de Gramado …  “o Kikito vai para…”.Nesta época do ano, acontecem diversos eventos, todos relacionados ao Natal.

“Kikito”, que, aliás, se encontra pela cidade toda, em tamanho grande e até de chocolate!

Palácio dos Festivais

 

O que acontece também com as hortênsias … afinal, é a “Região das Hortênsias”! Veja o tamanho e perfeição deste exemplar…  ela parece um coração!

Passeio de jardineira

O passeio de Jardineira nos possibilitou conhecer um pouco mais da cidade, saindo do centro. Conseguimos um lindo dia ensolarado para este passeio.

Guilherme (outro sobrinho), com Cláudia - olhar de galã...

 

Pode-se conhecer um pouco de lugares, prédios e construções de Gramado, e do mundo todo, em outro passeio: o “Parque Mini Mundo” (última foto acima); tudo em miniatura! Podemos ler um pouco da história de cada um também.

Em nossas andanças pela cidade nos deparamos com esta bela construção. Ela é a sede da Prefeitura da Cidade. O projeto original também foi reproduzido em miniatura no Mini Mundo.

Prefeitura

 

“Rua das Renas”, na verdade Rua Pedro Benetti, se enfeita com uma dúzia de renas em tamanho natural, decoradas por lojistas, e um “teto” de micro lâmpadas. O visual é lindo, não?!

Em mais um dia de neblina baixa fomos conhecer o Museu do Automóvel ou Hollywood Dream Cars.

… uma coleção de carros antigos e de estrelas de Hollywood além de modelos da Harley-Davidson. Coloridos, brilhantes e reluzentes modelos.

O Parque do Caracol .e a Cascata do Caracol. Uma cachoeira de 131 m de altura e uma escada de 750 degraus. Ficamos exaustos e encharcados! … mas foi ótimo!

Um lago com patos de verdade e cisne em forma de pedalinho, ou seria o contrário? Também tem restaurante e uma lojinha de chocolates … melhor lugar para compra-los.

Lago Negro

Obrigada, Cláudia, pelo lindo relato e imagens cheias de sensibilidade!

Futebol e Cidadania

Meu maridão já fez poesias. E poesia engajada. Neste dia em que muitas pessoas estão tristinhas com a eliminação da seleção brasileira, eis o que ele escreveu em situação semelhante (Copa de 1990). Está bem atual…

BRASIL AO TETRA OU À QUEDA

E o povo ora, ora bolas!

Nessas horas as bolas rolam.

Rolam lágrimas e euforia,

explode a alegria!

Alegria? Que alegira?

A alegria da bela jogada

ou a frustração daquela errada?

 

Que mancada, Brasil!

A suécia do serralheiro

cravou quente no trabalhador.

Bem no traseiro. Com dor.

Que emoção!

A vitória da Seleção

misturada à política de demissão.

Bola pra frente, trabalhador!

É bom entender o samba enredo.

No bojo, sem essa de desemprego.

E o salário? Como é que fica?

Fora do bolso?

 

Dá nojo, o Brasil pobre com costa rica

e dá-lhe arrocho! Arrocho salarial! Vamos muito mal.

Que mal? A Seleção tá tão legal!

Só torce quem pode.

Quem não pode se sacode

e no sacolão da miséria estamos a mil.

PAPA ESSA BRASIL!

 

Escócia, o teu whisky não é nossa cachaça,

é a nossa desgraça e provoca inflação.

No campo, passamos pela primeira fase

sem corrupção ou trapaça.

E a nossa gente, que graça!

Vê na bola a nossa raça…

Pra frente Seleção.

 

Nas oitavas-de-final chegamos

placares apertados, foi por um triz!

Seleção forte, seis pontos faturamos,

povo faminto e fraco… São dois brasis!

No gramado valentia, no povo euforia

é comunhão de fantasias… pinta de campeão.

 

Desfalca-nos o time,

O “Indiana Collor” Presidente,

falso pluri-atleta do JET SKI,

o brinquedo do garotão.

Elle confisca nosso dinheiro,

faz do país seu picadeiro,

seu pobre parque de diversão.

 

Não chore por nós Argentina,

você sofre da mesma sina

violência, miséria e corrupção.

No campo cruzamos os bigodes.

Mas isso não nos faz fortes

somos vitimas da mesma exploração.

Pois cinicamente o “Tio Sam” nos enrola

e das oitavas-de-final fica de fora.

Mas será nosso próximo anfitrião.

Nesta etapa o confronto nos fascina,

pois a classificada América Latina

é a sacrificada vítima da hiper inflação.

 

É, Brasil! Nesta fase não se erra.

O teu erro logo encerra

o sonho de ser campeão.

Campeão? Em verdade o Brasil é campeão:

Em acidentes de trabalho, desemprego,

baixos salários, analfabetismo e corrupção.

 

Oh! Perdão.

A derrota da nossa Seleção

não nos sai da mente.

Afinal, somos torcedores brasileiros doentes

Doentes por infecção hospitalar,

carentes de habitação, saneamento básico

e falta saúde pra toda essa gente.

E… olha que o país é farto.

Falta tudo!

até governo decente.

 

Por isso, volta. Volta Seleção.

Estou decepcionado que nem sei!

Acordem, compatriotas!

O tetra não é o título que esperei.

Brasil, tenho pena do teu povo,

pois deu uma de otário,

gastando o seu mísero salário

pra fazer o teu cartaz.

Bola rolando e as bandeirinhas acenando

e o povo infeliz chorando

só porque o tetra não vem mais.

 

Na próxima Copa ficarei na minha.

Mas sei que a ilusão virá de novo,

pois o governo gosta de Copa,

porque na Copa ele cozinha…

O POVO.